Livro: Acampamento de Inverno para Músicos (nem tão) Talentos
Autora: Clara Savelli
Publicação em E-Book
Páginas: 215
Tempo de leitura: 2 dias
Nota: 10

SINOPSE: Amanda foi arrastada pela melhor amiga para passar um mês em um Acampamento para Músicos em Teresópolis, cidade serrana do Rio de Janeiro. O sítio do acampamento é isolado e, ainda que pense nisso constantemente, Amanda não tem como fugir. Tudo bem que ela perde um pouco da vontade de fugir quando conhece Bruno, monitor do Acampamento que também não parece estar tão empolgado com o fato de ter que passar um mês trancafiado naquele lugar. E já que não pode fugir, por que não aproveitar tudo que for possível? Entre garotos, segredos e muita música, Amanda descobre que é mais talentosa do que pensa e que passar um mês trancafiada em um sítio isolado pode não ser tão ruim assim. Especialmente quando o sítio tem piscina aquecida, academia, água quente e um monitor lindo daqueles.

Amanda foi arrastada para um acampamento de Inverno para músicos talentosos por sua melhor amiga Lila, o único problema é que ela não se achava talentosa e ainda por cima só sabia tocar três músicas na flauta, e olhe lá, e ainda não entendia porque havia aceitado essa viagem que iria consumi-la por um mês inteiro. O que ela não sabia era que essas férias iriam mudar sua vida pra sempre.

Logo no inicio da viagem, ainda no ônibus ela conhece um monitor lindo que possuía os olhos azuis muito intenso chamado Bruno e que a deixava desconcertada. Amanda acreditava que Murphy sempre age contra ela e claro que isso gera muitas risadas no leitor, sempre reclamando de tudo e deixando claro que não queria de jeito nenhum estar naquele lugar.

Após descobrir que cada aluno teria que participar da apresentação final do Acampamento, Amanda gela, imaginar seus pais juntos seria muito cômico: seu pai sempre a apoia e estaria lá com um sorriso no rosto, já sua mãe, provavelmente estaria fora de si e exagerando na bebida. Depois de se atrasarem para o jantar, Lila e Amanda se juntam a única mesa vaga do local e lá conhecem Gustavo e seu melhor amigo Eduardo.

Lila por sua vez se encanta por Gustavo, um rapaz fofo e talentoso que acaba mexendo com seu coração e o mais incrível da história é que ele acaba gostando dela também e juntos eles protagonizam muitas cenas fofas no decorrer da história. Do outro lado Amanda e Bruno vão se conhecendo aos poucos e um sentimento aflora entre os dois, mas será que esse relacionamento com um rapaz mais velho não vai criar problemas para Amanda?

O comportamento estranho de Eduardo intrigava Amanda, e cada vez que ela se aproximava de Bruno também se aproximava de Eduardo (involuntariamente). Ao descobrir que Eduardo estaria na mesma aula de música que ela, Amanda logo pensou que ele tinha feito isso para encher seu saco. O tempo vai passando, algumas loucuras acontecem e enquanto Lila e Gus seguem firmes e fortes em seu relacionamento, Eduardo e Amanda ainda tentam decifrar se são apenas amigos ou se o que sentem um pelo outro é realmente amor.




Com o tempo Amanda vai perdendo o medo de cantar, descobre umas certas verdades sobre Bruno (uma das melhores partes do livro!), e percebe que o acampamento não é tão ruim assim. Quando tudo parece perdido, e quando ela pensa que nada na sua vida mais vai dar certo, ela encontra refugio em uma pessoa que ela nem imaginara. Vemos amizades verdadeiras sendo concretizadas, lealdades confirmadas, draminhas familiares e muito amor sendo distribuído ao longo da história.

O livro é leve, engraçado, romântico, fofo e que me fez amar ainda mais esse tipo de leitura. A escrita é ótima e a autora conseguiu conduzir a história com simplicidade e construiu um desfecho que eu não acreditei, amei amei amei esse final, nossa acho até que chorei um pouco.

Enquanto eu lia ia imaginando uma trilha sonora maravilhosa e fiquei surpresa quando a Clara colocou como tema dos dois uma das minhas músicas favoritas ever, Thinking Out Loud - Ed Sheeran. 





É isso gente, espero que vocês tenham gostado da resenha e me falem nos comentários se vocês conhecem a Clara Savelli (caso não conheçam sugiro que corram lá no Wattpad dela e veja quantas histórias legais ela tem!). Obrigada pela parceria Clara, você é maravilhosa ❤️


Livro: Sem Destino
Autora: Bruna Longobucco
Publicação Independente (BrasilPlot Comunicação)
Páginas: 334
Tempo de leitura: 2 dias
Nota: 10

SINOPSE: Helena é rica, mimada e revoltada. Os escândalos em que se envolve são noticias constantes no jornal de mais circulação do Estado de Minas Gerais. Desafiar o pai, um empresário de sucesso, tornou-se praticamente uma obsessão. Então, um grave acidente em um fim de semana tumultuado muda sua vida de forma radical e a coloca cara a cara com o passado. Agora, ela vai ter que vencer seus medos, descobrir qual o segredo que sua memória bloqueou e, em meio a uma série de contratempos, viver uma história de amor, intriga e suspense.

Uma história verdadeiramente envolvente, delicada e forte do inicio ao fim, tendo como cenário Minas Gerais com uma pegada romântica contemporânea e cheia de intrigas, amor, ódio, rejeição, vingança e paixão (ufa!), que não me deixou largar o livro até chegar no final.

Helena é independente, egoísta, temperamental e possui uma relação extremamente conturbada com o pai Mauro e carrega a dor de um passado que consiste em atormentá-la. Sempre tendo tudo que desejava, passou a maior parte da sua infância na fazenda do avô, seu Altinho, onde tinha dois melhores amigos Ana e Tiago, e por esse último era apaixonada e sonhava com um futuro ao seu lado e tudo parecia que ia dar certo. Com o passar do tempo e a perda das únicas pessoas que realmente apoiavam e serviam de suporte para Leninha, sua mãe e seu avô, ela se torna uma menina rebelde e só piora com o tempo.

Ao lado de Íris, sua "amiga" ela se perde cada vez mais nas festas e nas bebidas, tentando em vão arrancar a dor angustiante do seu peito, e tentando atingir o pai com seus escândalos as duas amigas resolver fazer uma festa na fazenda e a partir daí o futuro de Helena se transforma em um tornado de emoções e confusões. Depois de um acontecimento nessa festa, o pai de Lena resolve puni-la fazendo-a morar na fazenda por tempo indeterminado, sozinha e sem dinheiro, ela começa a planejar um meio para se vingar do pai.

Já morando na fazenda Alcides , Maria e Antônio, empregados e moradores da fazenda percebem que a Leninha que eles conheciam já não existe mais e após descobri que Tiago está noivo de Ana, seu mundo despenca ainda mais. Perturbado co a chegada de Helena, Tiago tenta ao máximo ficar longe dela. Tentando lutar com os sentimentos que não conseguiram deixar no passado, vemos os protagonistas amadurecem com os acontecimentos e os desejos são aflorados com o passar do tempo.

Aconselhada por seu primo Otávio, Lena tenta conquistar o que é seu por direito, a fazenda que sua mãe deixou de herança, será que tudo finalmente vai se acertar? Otávio se apaixona por Ana e aparentemente o sentimento é recíproco, imaginem a confusão que isso vai causar.

Após uma ideia maluca, Tiago e Helena se casam (!!!!!) e juntos tentam sustentar a fazenda, porém sustentar um casamento comercial é ainda mais difícil, rola briga, separação e mais briga. Tiago é mandão e muito ciumento, um verdadeiro maco alfa (e que na minha imaginação é bem gostoso, desculpa) e em vão tenta por um pouco de juízo na cabeça da mimada da Helena que mesmo quando tenta ajudar só atrapalha. Teve momentos que eu quis socá-la, mas no decorrer da história ela conseguiu resgatar aquela menina que sempre existiu debaixo da pele que escondeu para irritar o pai e eu me peguei admirando-a em alguns momentos e aos poucos ela consegue usufruir de uma alegria que nem se lembrava mais que exista. As cenas hot entre os protagonistas me fez suspirar e desejar um Tiago também.

Finalmente Helena descobre a verdade sobre seu passado e é bem chocante, fiquei de boca aberta. O final de alguns personagens também me deixou bastante arrepiada e bati palmas para o Tiago, quando em alguns momentos ele consegue perdoar as besteiras de Leninha. Pense num casal poderoso, a cada cena eu ficava torcendo pra eles se acertarem e viverem felizes para sempre, será que isso aconteceu?

Uma montanha-russa de emoções, com outros personagens tão importantes para o desenrolar da história como o quase casal Rodrigo e Candinha e Célia, que pra mim representou a figura materna de Helena durante toda a história. A autora conseguiu entrelaçar um romance recheado do começo ao fim de cenas marcantes e personagens fortes e determinados, eu não conseguia largar o livro até o fim e quando o fiz, queria mais. Bruna encantou e surpreendeu ela leitora que vos escreve com uma escrita leve e ao mesmo tempo poderosa.

A capa do livro é linda, a diagramação é excelente, só me incomodou um pouco as folhas brancas, que vocês já sabem que eu não curto muito, fora isso o restante está perfeito, esse livro é de parceria com a autora Bruna Longobucco e eu não poderia deixar de parabenizá-la por essa história incrível e que me fez lembrar muito outro livro nacional chamado Paraíso (TEM RESENHA DELE AQUI).

Enfim, espero que vocês tenham a oportunidade de ler esse livro maravilhoso e desfrutarem comigo o gostinho de história boa e pra quem já leu me conta qual parte gostou mais *sem spoilers*, até a próxima.

Livro: A Garota Que Eu Nunca Beijei
Autora: Suelen Perez de Azevedo
Editora: Chiado
Páginas: 546
Tempo de leitura: *mais de um mês*
Nota: 7

SINOPSE: O que fazer quando seu melhor amigo é o motivo de seus mais espontâneos e sinceros sorrisos, mas ao mesmo tempo a razão de suas lágrimas e enxaquecas? Quando o amor e a amizade se dão as mãos e o seu coração já não sabe mais para onde ir...
Samantha e Diego são amigos há quatro anos e fazem tudo juntos. Desde assistir a filmes até tocar na mesma banda. Eis que surge das lembranças inesquecíveis do passado a ex e primeira namorada de Diego. Uma viagem rumo à cidade que se deixou para trás mudará para sempre a relação desses dois amigos. Música, drama, humor e reconhecimento de sentimentos até então desconhecidos e escondidos. E mais, saber que ainda se pode ter tudo.

Diego nunca vivia em uma única cidade por muito tempo, seu pai era jornalista e vivia perambulando o Brasil inteiro. Com 13 anos ele já conheceu mais cidades do que eu talvez chegue a conhecer durante minha vida inteira. Quando já estava se acostumando em BH e se apaixonado por Diana sua amiga de turma, ele recebe a noticia de que iria se mudar novamente e dessa vez seria definitivo. E com um sentimento puramente verdadeiro ele promete a Diana que quando eles forem mais  velhos se reencontrarão e viverão felizes para sempre. Mas o destino é uma verdadeira peça não é mesmo amigos? 

Quando chega no Paraná Diego logo conhece Samantha e os dois não se desgrudam mais, o sentimento de amizade de Diego cresce a cada dia, mas o de Sam cresce em outro sentido, o de amor. Juntos eles fazem de tudo, se entendem apenas com um olhar e a sintonia entre os dois é extremamente marcante. Após quatro anos de amizade e de momentos especiais, ela sente seus sentimentos crescerem dia após dia e faz de tudo para trancá-los a sete chaves. Sempre tentando alertar o filho sobre os sentimentos de Sam, Bárbara aconselha ele a analisar a situação com outros olhos e decidir a quem seu coração realmente pertence.

Até que uma viagem com sua banda até a cidade onde Diego conheceu sua ex mudará tudo! Com a oportunidade de levar a banda Os Noturnos a explorar outros horizontes, Sam, Diego, Gustavo, Guilherme e Clara são contratados para um show em Maringá. Como se uma bala tivesse atravessado Diego  e com uma pulga atrás da orelha com o que sua mãe ultimamente vinha dizendo e ainda mais nervoso que já se encontrava por finalmente voltar a vê sua antiga e primeira namorada, eles partem para BH com Nick, irmão mais velho de Sam e assessor da banda. O reencontro de Diego e Diana mudaram pra sempre a relação entre ele e Samantha e a viagem foi repleta de emoções e surpresas.


"-Eu quis dizer que você precisa saber qual das duas que te faz bem. A que trás paz e calmaria e que ao mesmo tempo te provoca tensão e um frio no estômago. Essas sensações são as mais próximas do amor. -Explicou. -O contrário disso se chama distração, ou melhor, atração." Pág. 163  

Bom, queria poder começar essa resenha tão animada quanto eu estava quando comecei a ler essa história, porém ao passar das folhas vi meu entusiasmo ir por água abaixo. Os personagens secundários tiveram na minha opinião um papel extremamente importante na história, os pais de Diego: Bárbara e Carlos, Clara a melhor amiga de Sam que a ajuda em diversas ocasiões e tenta guiá-la sempre para um caminho mais fácil e orientá-la em diversas situações. Gostei muito da forma que a autora começava os capítulos, com um trecho de uma música que combinasse com aquele momento. 

Eu adorei os personagens principais e os secundários, o cenário, a diagramação e gramática, tudo mesmo, porém as 547 páginas me cansaram demais, fui arrastando com a barriga em alguns momentos, alguns detalhes eu achei desnecessários e outros bem rasos podendo assim ter explorado mais alguns tópicos. Mas no geral eu adorei a história, foi surpreendente vê o quanto alguns personagens cresceram e amadureceram  ao longo da história e eu gostei bastante do desfecho, a autora conseguiu fechar todo o ciclo da história com muita sutileza e leveza, parabéns!

Enfim, esse livro é da parceria com a editora Chiado. Queria saber se alguém já leu algum livro dessa editora e qual vocês mais gostaram, deixem aqui nos comentários e espero que tenham gostado da resenha. Até a próxima ❤️


Título Original: La piel que habito
Ano de Lançamento: 2011
Diretor: Pedro Almodóvar
Elenco: Antônio Banderas, Elena Anaya, Marisa Paredes, Blanca Suaréz, Jan Cornet, etc.
Gêneros: Terror, Suspense, Drama
Nacionalidade: Espanha

Com roteiro baseado no romance Tarântula, de Thierry Jonquet (que eu não li, mas quero muito ler), A pele que habito conta a história do cirurgião plástico Robert Ledgard (Antônio Banderas), que após suicídio de sua esposa, vive com sua filha Norma (Blanca Suaréz). Esta adquiriu problemas psicológicos em decorrência desse suicídio e, por recomendação médica, é levada a tentar se socializar. Um acontecimento, porém, induz seu pai a acreditar que ela foi estuprada, levando-o a elaborar um maquiavélico plano de vingança.
Embora seja essa a sinopse do longa-metragem, tais fatos acontecem nos primeiros 25% da película. Durante a trama, que de fato é envolvente, a narrativa trás fatos em tempos diferentes. A forma abrupta com que isso acontece pode incomodar alguns expectadores, mas creio que seja um mal necessário para não se deixar pontas soltas na trama.
Do título original “La piel que habito”, o filme espanhol gerou críticas e dividiu opiniões para os fãs do renomado diretor Pedro Almodóvar. A pele que habito prometeu ser um filme de terror sem gritos e sustos, buscando implantar elementos do terror puro e da uma violência sofisticada. Trabalhando os elementos de cena da forma mais elementar, retirando assim o peso de uma significação. Um objeto é apenas um objeto e faz seu papel, independente da interpretação do expectador.
Quanto ao cast, além dos supracitados, Elena Anaya, Marisa Paredes e Jan Cornet, abrilhantam o filme, dando uma ênfase na primeira, que a cada cena demonstra ao público um sentimento estupefato necessário para a personagem.
Pra quem espera as cores vivas, geralmente atreladas às obras de Almodóvar, pode-se esperar uma grande decepção. O longa trás uma iluminação mais sóbria, como “La mala educación” do mesmo diretor, o que pra mim é um ponto positivo, combinado com a pouca densidade de elementos de cena.
Do ponto de vista social e psicológico dos personagens há muito que se observar, pois há uma gama considerável de perfis que vão da psicopatia à depressão.  Tais temas são retratados sem sensacionalismo, trazendo uma visão natural sobre os personagens. Contudo, a própria naturalidade trás uma visão perturbadora sobre cada cena. E mais uma vez relato sobre a perspectiva do objeto pelo objeto, onde um desvio psicológico é apenas um desvio psicológico. Pessoas com tendências homicidas terão sempre tendências homicidas, esperando-se apenas pela situação adequada.

Embora a palavra “perturbador” seja praticamente ideal numa definição, a obra não chega nem aos pés de clássicos como “Calígula” ou “120 dias em Sodoma” nesse quesito. Contudo, é uma boa obra, apesar de inúmeras críticas negativas das quais eu li. Pessoalmente (se essa humilde opinião lhe for relevante) é um filme na categoria “Muito Bom”, sem evidente superioridade, mas também sem grandes defeitos. 


Livro: Apenas Respire
Autor: Marcelo Pontes
Editora: Modo Editora
Páginas: 225
Tempo de leitura: 15 dias
Nota: 7

SINOPSE: No ano de 1992, no dia 29 de fevereiro, duas crianças predestinadas nascem: Layla e Victor. Layla passa por todo tipo de sofrimento, pessoas queridas morrem em acidentes bizarros e, a cada morte, uma nova cicatriz aparece em seu corpo. Victor ao contrário, tem uma vida perfeita, um garoto que nasceu incapaz de sofrer. Victor e Layla se encontram e se apaixonam um amor sem limites. O romance tinha um destino certo, à felicidade, mas eles não sabiam que eram peças de um complexo jogo entre o bem e o mal chamado: Algoritmos Sagrados.

Nossa, uma pausa pra respirar depois dessa história. E que história meus amigos, o Marcelo Pontes soube criar um enredo que te prende totalmente do inicio ao fim. Sabem aquela sensação de querer mais a cada página que passa? Foi justamente isso que aconteceu comigo.

Logo no Prefácio o autor conta uma história que aconteceu com ele e que já deixa o leitor com uma pulga atrás da orelha. O Doutor Rogério acredita que os números podem influenciar o destino da humanidade, e descobre algo impossível. 1992 era um ano bissexto e de acordo com o calendário Maia algo ruim estava prestes a acontecer, em 29 de fevereiro desse ano duas crianças predestinadas nasceram. Quando o caminho dos dois se cruza quase 16 anos depois, tudo muda. No inicio da historia vemos as vidas de diversos personagens se interligarem até chegar nos protagonistas.

Layla veio ao mundo cercada de sofrimento e morte, logo após seu nascimento, sua mãe morre e seu pai a rejeita, assim como sua avó, que acreditam no mal que essa criança causou. Ela nunca pensa no futuro e carrega no corpo cicatrizes de um passado sem amor e cheio de tragédias.

No mesmo dia nascia Victor, sereno e calmo, veio ao mundo cercado de amor e incapaz de sentir qualquer dor. Amado infinitamente pelos pais que encheram de presentes e de tudo que ele quisesse, porém nada disso o deixava inteiramente feliz, o sentimento de que faltava algo em sua vida era nítido. 

Os personagens secundários Carol e Carlão aparecem para quebrar um pouco o ar de sofrimento e de perdas que acabam acontecendo no decorrer da narrativa. Apesar da história ter como personagens principais Layla e Vitor outra coisa que está sempre presente é os números. Os algoritmos estão ligados de alguma forma com tragédias naturais ao redor do mundo, inclusive os maias (aqueles que disseram que o mundo ia acabar dia 22 de dezembro de 2012) previram outras tragédias.

Os pontos negativos pra mim foram apenas dois: a passagem de tempo, que me deixou um pouco perdida e complicou um pouco a leitura em alguns momentos. Quando a história chega ao fim eu não consigo entender qual o proposito final do autor se era me deixar com a pulga atrás da orelha ou me deixar sem fôlego mesmo e espero que algumas questões sejam respondidas nos outros livros. Em relação a diagramação eu gostei bastante, as folhas amareladas ajudam bastante na leitura e os erros gramaticais não influenciam no entendimento da história, gostei bastante da capa e dos desenhos encontrados no livros juntos com alguns pensamentos famosos no começo da cada capítulo.

Enfim, espero que tenham gostado e mesmo colocando 7 na avaliação é um livro muito bom e excedeu minhas expectativas e estou ansiosa pra saber se em algum momento no futuro Layla vai ser feliz, torço pra isso. Até a próxima