Livro: A Culpa é das Estrelas
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 286
Tempo de leitura: 1 dia e meio (sim você leu certo)


Sinopse: Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de números entre 0 e 1. Tem o 0,1 e o 0,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros. Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e o 2, ou entre o 0 e o 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros… Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Eu queria mais números do que provavelmente vou ter. - Hazel Grace.

Não vou mentir pra vocês só fui ler esse livro quase um ano depois que lançou, mas não porque achava que não valeria a pena, mas sim porque aqui na minha cidade não tinha onde comprar e online eu achava muito caro devido ao frete e etc. Quando finalmente consegui comprar que o peguei nas mãos, juro deu uma vontade de chorar, de nem tocar nas páginas, por em uma moldura porque o livro é realmente perfeito, a capa já entrega também. Se existe alguém nesse mundo que ainda não leu, recomendo muito mesmo, é uma leitura fácil, gostosa e juvenil. Não tem muita enrolação no contexto, na historia, enfim, passaria horas falando disso aqui.

O livro conta a historia de Hazel Grace. Hazel é uma paciente terminal, que acaba encontrando um motivo para lutar contra sua doença, e esse motivo é Augustus Waters, ou Gus, um garoto bonito que ela conhece no grupo de apoio a crianças com câncer, ele também é amigo de Isaac um conhecido dela no grupo. A partir dai Gus tenta de todas as formas pra entrar na vida de Hazel e eles descobrem um amor puro e verdadeiro e acima de tudo uma amizade linda também. O enredo mistura vários sentimentos prendendo o leitor, o sofrimento dela quando tem recaídas, a traumatizada perda de visão de Isaac, a viagem romântica a Amsterdã pra conhecer o escritor do livro preferido de Hazel, o primeiro beijo de Hazel e Gus, a primeira vez deles, a visita à casa de Anne Frank e a descoberta devastadora sobre Gus (que não contarei pra não estragar o final do livro). A declaração de amor dele no restaurante pra ela é a cena que mais desejo ver nos cinemas e a dela no final então, vou chorar litros.

O livro é cheio de frases e trechos inspiradores, que põe qualquer pessoa pra chorar, em alguns momentos eu super me identifiquei com os conflitos de Hazel, tanto por motivos emocionais como pelos de saúde também. Chorei de começo ao fim do livro, chorei e não me envergonho disso. Acho o John Green um puta escritor, o jeito que ele usa as palavras faz com que você fique preso no livro ate o final, era uma leitura que eu almejava muito e correspondeu a todas as minhas expectativas.

A Hazel e o Gus me ensinaram que é preciso viver intensamente cada dia como se fosse o último, eu seu que isso é bem clichê, mas gente é a maior verdade, Okay? Okay.

Deixe um comentário