Eu fui, atravessei todos os caminhos de pedras e plumas. Vi todos os anjos e demônios no caminho, vi também lágrimas e sorrisos e quando quis desistir, tinha certeza que não podia. Eu quis voltar cada calçada que passei, cada casa que deixei, cada sonho que passou. Eu acordei com um peso no ombro, um fardo que só eu podia carregar, acordei com mais amigos e menos amores, isso na verdade tanto faz. Eu ri, chorei, chorei de rir, cai, levantei, segui em frente, fui seguindo mesmo quebrada, espancada e sofrida, mas sempre sorrindo. Não desisti, e hoje corro atrás dos meus sonhos incansavelmente, a cada dia fico mais velha, mais cansada, mais sábia. Aprendi e ainda aprendo depois de 20 primaveras de muitas cores e amores, hoje eu agradeço, amanhã eu aproveito. Carrego a família nos braços, os amigos de lado, no coração: Deus. Trago luz, paz e calmaria, também trago tempestades e turbulências, trago a alegria de poder viver intensamente cada dia, e se arrepender bem depois (ou não). Enfim, trago todo o amor que houver nessa vida, e digo mais, se não houver amor, nada serei.

Deixe um comentário