Livro: Uma Vida para Sempre
Autora: Simone Taietti
Editora: Novo Século
Páginas: 351
Tempo de leitura: 4 dias

SINOPSE: Ethel diz estar morrendo. Contudo, não afirma isso apenas em razão de sua doença. Talvez a única certeza de nossa existência seja a morte, o fato de que ela chega para todos. Mas nem por isso deixa de ser a maior incógnita da vida. Em um hospital, em meio à dor das histórias dos pacientes, Ethel encontrou amigos. Entre passeios em cemitérios, frequentando velórios e enterros de estranhos, ela tenta preparar a si e aqueles que ama, para o que parece estar ali tão próximo, o fim. Entretanto, não esperava enfrentar algumas surpresas que a fizessem duvidar de tal preparação. Quando dura o para sempre? Ethel descobriu.

Ethel é uma personagem totalmente diferente de todas as outras que já conheci, nascida com CIPA (Insensibilidade Congênita à Dor com Anidrose), aos 17 anos ela acredita que todos com certeza iremos morrer, mas não é preciso ficar escorado esperando o último sopro da vida. Ela é forte, inteligente e dona de uma personalidade única, sensível e determinada. Com a sua insensibilidade à dor e incapaz de transpirar, ela sofre desde pequena com alguns acidentes e sempre visita o hospital para sessões de fisioterapia.

No hospital ela tem vários amigos (todos escondidos para que a sua mãe não descubra, ela deseja que a filha tenha amigos saudáveis, guardando-a no que Ethel chama de "bolha"). Max, um garotinho que tinha sarcoma, que era amigo dela, um dia após sua visita rotineira, Ethel recebe a noticia que ele havia falecido. Ao entrar no antigo quarto de Max ela se depara com a frase que seu amiguinho escreveu na parede: "Max esteve aqui". E nessa hora ela conhece Vitor.

Vitor, um garoto aparentemente comum e que possui "um sorriso que poderia unir o continente africano e sul-americano". Porém, o que Ethel não sabia era que ele tinha Leucemia Mieloide Aguda e que estava sendo internado para um transplante de Médula Óssea. Sempre dizia que dava azar não dar um aperto de mão em quem acabou de conhecer. Ele é aquele sopro quente que nos acolhe em um dia frio, Ethel é aquela voz na nossa cabeça sempre dizendo que a dor precisa ser sentida. 

As visitas ao cemitério e enterros eram constantes e secretas, faziam ela ter a certeza que a morte a esperava, mas ao conhecer Vitor tudo que era rotina vira apenas lembranças e a aproximidade dos dois a intrigava. Sua mãe era tão forte quanto ela, após a morte do pai de Ethel ela faz de tudo para que a filha esteja protegida e tenta garantir que a sua vida seja simples e normal.

Infelizmente o quadro de Vitor se agravava, mas para nós leitores isso é apenas o começo de uma linda e forte história de amor, que atravessa os corredores do hospital até nossas vidas. Eles vivem cada dia intensamente, sentindo cada emoção, sentimento e reações, por aquele breve momento juntos.


No decorrer da história somos apresentados à alguns personagens tão importantes no enredo e desenvolvimento da história quanto os protagonistas. Cada capítulo começa com um texto, pensamento ou música escolhidos por Ethel, o que eu achei muito legal. Com o livro pude aprender a dar mais importância aos laços de amizades e da família, a vida é um ciclo e algumas coisas podem se perder no caminho.

Acompanhamos de perto a dor de perder alguém querido e superar medos, de ter esperança mesmo nos momentos mais obscuros. A Simone caprichou nessa literatura maravilhosa e na construção de toda a obra, eu amei de paixão e super recomendo essa leitura, obrigada pela confiança no blog e por ser essa pessoa tão atenta e receptiva Simone

E ai, gostaram da resenha? Deixem nos comentários quais livros te fizeram chorar.

Deixe um comentário