Livro: Apenas Respire
Autor: Marcelo Pontes
Editora: Modo Editora
Páginas: 225
Tempo de leitura: 15 dias
Nota: 7

SINOPSE: No ano de 1992, no dia 29 de fevereiro, duas crianças predestinadas nascem: Layla e Victor. Layla passa por todo tipo de sofrimento, pessoas queridas morrem em acidentes bizarros e, a cada morte, uma nova cicatriz aparece em seu corpo. Victor ao contrário, tem uma vida perfeita, um garoto que nasceu incapaz de sofrer. Victor e Layla se encontram e se apaixonam um amor sem limites. O romance tinha um destino certo, à felicidade, mas eles não sabiam que eram peças de um complexo jogo entre o bem e o mal chamado: Algoritmos Sagrados.

Nossa, uma pausa pra respirar depois dessa história. E que história meus amigos, o Marcelo Pontes soube criar um enredo que te prende totalmente do inicio ao fim. Sabem aquela sensação de querer mais a cada página que passa? Foi justamente isso que aconteceu comigo.

Logo no Prefácio o autor conta uma história que aconteceu com ele e que já deixa o leitor com uma pulga atrás da orelha. O Doutor Rogério acredita que os números podem influenciar o destino da humanidade, e descobre algo impossível. 1992 era um ano bissexto e de acordo com o calendário Maia algo ruim estava prestes a acontecer, em 29 de fevereiro desse ano duas crianças predestinadas nasceram. Quando o caminho dos dois se cruza quase 16 anos depois, tudo muda. No inicio da historia vemos as vidas de diversos personagens se interligarem até chegar nos protagonistas.

Layla veio ao mundo cercada de sofrimento e morte, logo após seu nascimento, sua mãe morre e seu pai a rejeita, assim como sua avó, que acreditam no mal que essa criança causou. Ela nunca pensa no futuro e carrega no corpo cicatrizes de um passado sem amor e cheio de tragédias.

No mesmo dia nascia Victor, sereno e calmo, veio ao mundo cercado de amor e incapaz de sentir qualquer dor. Amado infinitamente pelos pais que encheram de presentes e de tudo que ele quisesse, porém nada disso o deixava inteiramente feliz, o sentimento de que faltava algo em sua vida era nítido. 

Os personagens secundários Carol e Carlão aparecem para quebrar um pouco o ar de sofrimento e de perdas que acabam acontecendo no decorrer da narrativa. Apesar da história ter como personagens principais Layla e Vitor outra coisa que está sempre presente é os números. Os algoritmos estão ligados de alguma forma com tragédias naturais ao redor do mundo, inclusive os maias (aqueles que disseram que o mundo ia acabar dia 22 de dezembro de 2012) previram outras tragédias.

Os pontos negativos pra mim foram apenas dois: a passagem de tempo, que me deixou um pouco perdida e complicou um pouco a leitura em alguns momentos. Quando a história chega ao fim eu não consigo entender qual o proposito final do autor se era me deixar com a pulga atrás da orelha ou me deixar sem fôlego mesmo e espero que algumas questões sejam respondidas nos outros livros. Em relação a diagramação eu gostei bastante, as folhas amareladas ajudam bastante na leitura e os erros gramaticais não influenciam no entendimento da história, gostei bastante da capa e dos desenhos encontrados no livros juntos com alguns pensamentos famosos no começo da cada capítulo.

Enfim, espero que tenham gostado e mesmo colocando 7 na avaliação é um livro muito bom e excedeu minhas expectativas e estou ansiosa pra saber se em algum momento no futuro Layla vai ser feliz, torço pra isso. Até a próxima  


Deixe um comentário